quinta-feira, 31 de maio de 2012

REPUDIO AO DESRESPEITO


Esse blog é um espaço para divulgação do que faço com amor e carinho... meu Artesanato, porém, como Cristã venho manifestar meu total repúdio ao ocorrido no último sábado 26/05 na manifestação intitulada "Marcha das Vadias". Deixo o link para que você leitor, se não tomou conhecimento ainda, fique sabendo do ocorrido lastimável durante a Missa com as crianças da Catequese.
Leia também a nota da Arquidiocese do Rio de Janeiro.

Cada um tem o direito de expressar suas ideias como bem entender, desde que faça isso com respeito ao próximo.

4 comentários:

oandarilho01 disse...

Muito bom, Teresa!
É preciso deixar bem claro que aquelas senhoras imorais NÃO representam, nem de longe, as verdadeiras mulheres dignas de nosso país.

Paz e Bem
Bruno Linhares

Káthia Marchand disse...

Olha Tereza ... eu entendo o protesto, só não entendo o motivo da nudez, da irreverência gratuita.

Para combatermos a violência do nosso corpo é preciso antes de tudo, respeitá-lo.

Ser vadia não é mérito.
Eu usaria a palavra livre sim, mas, vadia é uma palavra que deixa claro que - topamos tudo!

Eu sou a favor de liberdade de expressão bem colocada, de opção sexual, mas, o que acho desacordado, são as questões íntimas, que para eu aceitar a ideia não preciso agredir.

Muitos beijos, ótimo final de semana!

Rodrigo disse...

Muito bem Teresa. Como mulher cristã que é deve sim se manifestar contra esse tipo de evento contra a própria natureza da mulher. Como pode lutar por contra a violência sexual com a própria violência? Ainda mais a Igreja Católica serve de bode expiatório. As pessoas julgam sem saber!

Parabéns pela posição!

oandarilho01 disse...

Káthia Marchand,

a nudez faz parte do motivo do protesto. A marcha foi elaborada especialmente para agredir a moral da sociedade, que as feministas julgam ser "puritana", "atrasada", "preconceituosa". Por isso elas agiram de maneira tão agressiva, tão indecente, despindo-se e, mais que isso: INVADINDO UMA IGREJA CATÓLICA, que é reconhecidamente um depósito de moral, e que é para elas inimiga número 1.

A marcha é uma expressão violenta de opinião que deseja silenciar a sociedade. É um grito de: não nos incomodem com sua censura. Queremos ser promíscuas, indecorosas, homossexuais, abortistas o quando acharmos necessário ser.